Share



O que muito hoje a humanidade necessita? Refletir...
Precisa buscar ajuda... Permitir-se intuir...
Encontrar caminhos para si e fazer-se companhia
Apoiar-se em Deus, dar créditos aos seus
Reencontrar-se com a VIDA e a POESIA.

É um convite a pensar, conversar
Meditar com palavras explícitas
Implícitas experiências do Coração
Dar mais um espaço à EMOÇÃO!
"...a POESIA é para comer, senhores..."


12/23/2015

Distopias...


"Quando aqui chegamos, pequenos
 Não sabemos  o que vemos,
 Nem o que está sendo ensinado ao coração. 
Quando maiores nos tornamos, onde mais é menos
temos a urgente missão: 
vasculharmo-nos até encontrarmo-nos..."
(Valéria Milanês)

...embora distopia seja "um mundo paralelo obscuro ao extremo", 
nem sempre vivemos em um mundo maravilhoso 'realmente' nosso... 
Principalmente quando a "luz" que tende a nos guiar leva-nos para o 
mais e mais distante de nós mesmos... 


Entretanto, porém....
        A coragem, a vontade, o agir, os sonhos, a fé, a garra, a esperança, a superação, o amor - principalmente - (e muitas outras palavras que deixam de ser "somente palavras", e tornam-se vivas, quando vivenciamos o que é relacionado verdadeiramente com o nosso eu...) são diferenciais na "jornada, na batalha dos mundos" que vivemos, inclusive dentro de nós mesmos... Sendo, inclusive, 'distópico' para muitos. Assim ocorrendo porque seus referenciais são pequenos demais. Mas, mais dia menos dia, nos desprendemos do mundo ideal, do mundo definido, do programado, e nos encontramos...! Pois, essa a lei da natureza... E somos, todos, elementos desta. O mundo formatado, com tantas definições, padrões do que se deve Fazer para Ter, por exemplo, e, com isso, regras de como devemos agir para sermos "conquistadores do mundo" (sempre...), apenas empurra cada um de nós, primeiramente, ao abismo da ilusão... 
      Mas... Sempre vem... A verdade que não pode ser maquiada ou contida... A verdade da vida!  E o que ela tem para transformar em nós e por através de nós... E nos mostrar, também, o fato de que 'não ganhamos sempre', segundo esses padrões fabricados,  e isso também é notório na natureza. Isso devemos perceber, enxergar, a fim de não abraçarmos uma ideia como 'pura lei', tipo: "quem não tem" não tem valor... Na verdade, a natureza nos mostra bem o contrário disso dia após dia:  É do 'desfolhar' que vem a primavera; é da "morte que a vida brota"... É quando nos perdemos, que nos encontramos... É nos momentos de profunda escuridão que a nossa luz é necessária e 'convidada' a fluir,  rumo a se expandir e se expandir... Que não tem compromisso com os flashes do mundo ou 'glórias desse mundo', e sim com os "flashes da vida" em nós. Um aprendizado que não tem a ver com a educação que temos acesso... Mas, com um pleno exercício de Ser...! 


            Fonte imagens: Google imagens

                Mesmo quando buscamos repetidamente "satisfazer o tal mundo real" - que dizem ser o ideal, um jogo de luzes artificiais, onde passamos a replicar o aprendido que aprisiona, sem 'licença' até para nos perdermos -, não há um "perder-se" verdadeiramente... Consequentemente não há caminho rumo a se achar... Ainda! Porém, muito mais próximos "da mão da vida" para ser achado. É quando a natureza "chama o equilíbrio" para dar lugar àquela que virá, se manifestará..  (E Ela vem, sempre... ) A vida em sua forma mais pura! Que não se manisfesta, como no 'mundo real': em nações, como numerário, para promover robotizações, e sim em cada ser, particularmente em cada viver.
        Inclusive naquele que vive como parte integrante (e intrigado) do que parece que convém: protótipo estereotipado e/ou robotizado... (pois esse "robotizado" o é para quem, se o homem não é Senhor da Vida de ninguém? Pois, "ao final do jogo, peões e reis voltam para a mesma caixa"...). Portanto, Só parece que assim permanecerá, pois, o acréscimo ao nada é "nada ao quadrado". É algo sem cor que "apenas existe" (e o viver é feito de "cores sagradas" que os olhos não veem, portanto não podem ser explicadas, delimitadas, compradas, vendidas ou definidas; não vês?)... E é aí que a vida intervém...! No que parece ser "um mundo com seus membros perfeitos"... Pois, como um 'corpo pode ser perfeito' se somente tiver pés ou mãos? 
         O Senhor, o Criador da Vida (somente Ele) sabe bem as "características necessárias que um corpo tem"... E essas características são forjadas por através de sensações, emoções, renovo de sentir, de pensar e de agir; por um jorrar de energia oriundo de genuína ousadia... de  viver! Com ou sem o que for; com chegadas e partidas; a despeito de delimitadores ou dores... Nos mistérios cintilantes e nos caminhos escuros... Em tudo está a vida! E seu jorrar torna-se um transbordar, que não nos abandona, até reluzir o infinito, não a partir do exterior do homem, mas do universo, integrante de um pluriverso, que somos e que jamais morrerá... Da Alma Humana... E seja toda Luz!


"A luz não está nos candeeiros... Ela está em ti!"





O PREÇO DE UMA VIDA
Selma Reis

Mesmo quando há só melancolia
Viver só traz desarmonia
Sem um amor pra suportar viver
Mesmo quando a casa é oposto ao que é bem viver
E choras sem saber bem porque foi, 
Sente

Há uma força em nós, meu passarinho 
Mais forte que ficar sozinho 
No velho mundo gasto e sem calor 
Estás farto de uma vida que não tem valor 
E de certa nostalgia que não te deixa em paz 
Quando for tocar o dedo na ferida 
A força que ela tem, o preço de uma vida  
De nada valerá viver 
Se a gente não sonhar  
A vida é só pagar pra ver


Hoje, quando o ódio move o mundo 
E o silêncio toca o fundo 
Com um rumor que não suportas mais 
E te dói pensar que o mundo é terra de ninguém 
Mesmo quando a esperança 
Por si só não bastar mais 
Só nos valerá se nessa morte em vida 
O amor com amor pagar o preço de uma vida 
Se não se sonha mais, de que nos valerá 
Mesmo a quem por mal ofende 
Ou que nos vende sem pagar 

Quando divisar a terra prometida 
A reconhecerás, o preço de uma vida 
Aquele que pagar pra ver 
Nunca mais vai se afastar 
Nunca mais vai se perder 
Nos barracos das favelas 
Dessa nossa hipocrisia 
Mesmo em meio às etiquetas 
De uma falsa cortesia 
É o anjo que te guarda 
E que reconhecerás 
Como a força mais ousada que há em nós 
Que sonha e não se renderá 

Quem viver verá a sorte decidida 
O amor irá pagar, o preço de uma vida 
Se não se sonha mais, de que nos valerá 
O que luta cada dia por ser em nós  
O que não morrerá 
Quando divisar a terra prometida 
A reconhecerás, o preço de uma vida
A força de pagar pra ver...
                                                                                           Composição: Paolo Vallesi / Beppe Dati - versão Ronaldo Bastos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...